Segunda, 18 de Janeiro de 2021 00:56
22 99890-3597
Geral covid-19

MSC volta a cancelar cruzeiros devido à covid-19

Cancelamento abrange viagens entre 16 de janeiro e 31 de março de 2021

23/12/2020 18h44
16
Por: Redação Fonte: Agência Brasil
MSC volta a cancelar cruzeiros devido à covid-19

Maior empresa de cruzeiros marítimos operando no país, a MSC anunciou, hoje (23), o cancelamento das viagens programadas para o período entre 16 de janeiro e 31 de março de 2021. Em nota, a companhia atribuiu sua decisão à demora do grupo interministerial em aprovar as operações para o restante da temporada brasileira, que se encerrará em abril.

 

O grupo executivo responsável por avaliar os protocolos de segurança e saúde e autorizar a volta dos cruzeiros no país é formado por representantes dos ministérios do Turismo, da Saúde, da Justiça e Segurança Pública, do Desenvolvimento Regional e da Infraestrutura, além de técnicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

 

“Considerando esta postergação e o tempo mínimo necessário para a companhia preparar toda a sua operação - como logística, mobilização, testes e embarque da tripulação, abastecimento de provisões e a implementação de seu protocolo de saúde e segurança líder do setor -, a empresa não conseguiria iniciar as operações até meados de fevereiro, no mínimo”, informou a MSC.

 

Devido à pandemia do novo coronavírus, a companhia cancelou as viagens marítimas agendadas para ocorrer entre 15 de novembro de 2020 e 15 de janeiro de 2021. Sua concorrente, a Costa Cruzeiros, também cancelou, em setembro, todos os cruzeiros programados para ocorrer entre novembro de 2020 e abril de 2021.

 

Em nota, a MSC afirma que, desde julho, vem “trabalhando em estreita colaboração com as autoridades brasileiras”, buscando demonstrar a segurança do protocolo de saúde já testado na Europa, onde as viagens foram retomadas em agosto deste ano. A empresa afirma que, desde então, na Europa, mais de 30 mil clientes já embarcaram em seus transatlânticos, além dos tripulantes.

 

A empresa se comprometeu a conceder uma carta de crédito para reembolsar as pessoas que têm reservas para embarcar em um cruzeiro a partir do Brasil. O crédito será do mesmo valor pago pelo cliente e poderá ser usado até 31 de dezembro de 2021, para a aquisição de um novo pacote de viagem a ser realizada até 30 de abril de 2022 em qualquer cruzeiro da MSC.

 

Além de ressarcir o valor pago pelos clientes, a MSC concederá um crédito de 100 dólares ou euros (conforme a região de destino do cruzeiro), por cabine, para viagens de até seis noites, ou de 200 dólares ou euros, por cabine, para cruzeiros de 7 ou mais noites. No caso de cabines single, o passageiro receberá metade destes valores, que deverão ser gastos a bordo dos navios da MSC, em um próximo cruzeiro. Caso opte por não viajar, o cliente terá que negociar com a companhia o reembolso de parte do valor pago, conforme previsto na Lei 14.046, de 2020.

 

Consultado sobre o impacto da decisão da MSC, o Ministério do Turismo assinalou que os cruzeiros são parte importante do setor turístico, mas que o retorno das viagens marítimas só deve ser aprovado mediante a garantia de que todos os cuidados para preservar a saúde de turistas, tripulantes e das populações das cidades visitadas estão sendo adotados. A pasta também informou que desenvolveu protocolos para 15 atividades turísticas e que aguarda a aprovação das diretrizes específicas para o setor de cruzeiros.

 

Desapontamento

Mesmo diante das incertezas decorrentes da pandemia, a MSC Cruzeiros está vendendo pacotes para a temporada 2021/2022. Na nota que a empresa divulgou hoje, o diretor-geral da MSC no Brasil, Adrian Ursilli, disse ter ficado desapontado com a necessidade de suspender a próxima temporada e que a empresa seguirá operando no país tão logo seja possível retomar a normalidade.

 

“Esta foi uma decisão difícil de tomar, mas nosso compromisso com o país não mudará. Estaremos no Brasil mais fortes do que nunca na temporada 2021/2022”, disse.

 

A indústria de cruzeiros é uma das mais afetadas pelos reflexos da covid-19 em todo o mundo. Em outubro de 2019, pouco antes do início da temporada 2019/2020, a Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos (Clia Brasil) previa que este tipo de viagens atrairia cerca de 500 mil pessoas, uma demanda 6,5% superior à registrada durante a temporada 2018/2019, quando o setor movimentou algo em torno de R$ 2,083 bilhões – valor que engloba tanto os gastos diretos, indiretos e induzidos das companhias marítimas, quanto os gastos de passageiros e tripulantes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.